Vem chegando o verão, é tempo de misturar peças ultra leves e vibrantes, perfeitas para dias de luz e energia. A nova coleção da C&A dá um banho de frescor na temporada, do casual ao romântico, dia e noite, para as ruas e a caminho da praia, as últimas tendências surgem em criações que celebram a paixão e o savoir faire da brasileira pela estação mais aguardada do ano.

Surgem no cenário ziguezague, listras com borboletas, mini prints e florais num jogo de texturas e padrões que refazem a trajetória de outros verões com toque contemporâneo. Os comprimentos seguem sensuais e ao mesmo tempo românticos; tops são a grande aposta da marca nas versões off shoulder e ombro a ombro. Para coordenar, bodies e saia midi, t-shirt dress e pantacourt em tons terrosos, nude e toques sutis de magenta. 

Os modelos de bolsas com alças texturizadas, plataformas e rasteiras de ráfia quebram com leveza o glamour dos clássicos imbatíveis, que não poderiam estar de fora da festa: a tendência navy, com os listrados em azul marinho e branco, e os eternos jeans aliados a regatas e malhas fecham a ideia de verão perfeito da C&A. 

O Preview da Coleção Primavera/Verão 2017 da C&A, já está à venda em todas as lojas do Brasil, e também no e-commerce (cea.com.br).

Pirei nessas peças aqui 
✿ Esse post é de um release que recebi por e-mail.  
Não sou paga para postar, mas acho legal compartilhar! 

Não é novidade que a indumentária masculina, volta e meia, esteja se misturando com a feminina. Porém, nesse Verão (hemisfério norte) uma coisa tem me chamado a atenção: o modo em como a camisaria masculina está sendo repensada para looks femininos.
O resultado final de um outfit com essas peças é totalmente amigável, sem aquela pegada boyish, afinal a peça não é do armário masculino, apenas foi inspirada nele (principalmente nos tecidos).
Até a Zara e a H&M, uma das maiores varejistas de moda do mundo, já lançaram peças desse estilo em suas novas coleções. Quando tendências assim se propagam em lojas de massa, é porquê vai virar moda com certeza. 

H&M
Zara
Eu, particularmente, gostei muito de todas as peças. Parecem ser super confortáveis e acho também que são diferentes. Já estou procurando um molde para fazer algo nesse estilo, se der certo mostro aqui também ;)

O assunto do post de hoje foi mais um aprendizado nas oficinas do Inova Moda 2016, oferecido gratuitamente aqui em Fortaleza pelo Senai em parceria com o Sebrae. Lá aprendemos um pouco sobre métodos que exploram a construção, desconstrução e re-construção das roupas. Um deles foi o MESCRAI.

Para Baxter (2008, p. 80) MESCRAI trata-se de “[…] uma sigla de ‘Modifique (aumente, diminua.), Elimine, Substitua, Combine, Rearranje, Adapte, Inverta’. Esses termos funcionam como uma lista de verificação para estimular possíveis modificações no produto”. Resumindo, é uma espécie de checklist de projetos e ideias para aumentar a produção e a originalidade do resultado final (no caso, um produto de moda). 

É uma importante ferramenta a ser incorporada no momento do brainstorm (tempestade de ideias). Outra hora super interessante para usar o MESCRAI, é quando precisa-se repensar um produto, construir uma nova coisa a partir de outra.

Mas, como eu aplico isso na prática? Por exemplo, em um planejamento de coleção?

Cada letra da sigla MESCRAI é uma possibilidade de alteração do produto. Na imagem abaixo, retirada da apresentação do Senai, explica direitinho o que se deve pensar em cada item do método.
Na oficina levei uma blusa e apliquei o MESCRAI nela e como resultado obtive uma saia e um acessório para pescoço (sei, que postei essa foto no post anterior, mas foi o meu único exemplo da oficina).
A Fernanda Berwian e a Graziela Morelli desenvolveram uma coleção de vestidos a partir da desconstrução de camisas. (Clique aqui para acessar o trabalho delas).
Grandes nomes da moda, como Issey Miyake e Rei Kawakubo, são exemplos de como a reconstrução funciona no fashion business e é uma grande promessa para o futuro do processo criativo dentro da moda. Se você quer oferecer ao mercado um produto com mais presenta e diferenciado, é uma boa sugestão utilizar o método MESCRAI na hora da criação. Lembrando que não se deve criticar / julgar ideias no processo de criação, deixe o julgamento para um posterior processo de filtragem.